Epifania

Bruno Ernica

Dobrei meus suspiros e arrepios em dois, para não chamar de algum sentimento absurdo.

Eu sinto meus pensamentos ecoarem e se personificarem,
Como se tivesse alguém na minha frente,
Ou como encontrar comigo mesmo. Me encontrei.

E é tão palpável e moldável que chega perto da perfeição. Eu não sei o que é isso.

Faz tempo que não sinto algo que na verdade nunca senti. Não é alguém, não é amor.
E cada vez que eu inspiro eu quero espirrar para que todos sejam contaminados por essa sensação indescritível, que eu descrevo.

Estou fora de mim porque eu sempre estive, não achei alguma possibilidade de estar dentro.
Por fora eu vejo o que eu quero, ou o que meus olhos de verdade podem ver.
Eu posso me tocar e chegar à um ponto específico, ou nenhum.

Meus atos também tomam forma e falam e agem por mim. Digo coisas absurdas, que de absurdas não tem nada. São desejos vazando entre as minhas papilas gustativas, desgosto.
Eu penso tudo o que falo e falo tudo, penso.

E nesse trecho eu me perco antes de me encontrar, mas tenho certeza que estou na minha frente.

Eu sinto que um novo estado de espírito chega. Epifania.

  • Nrodrigues

    Lindo. Adorei. NR